Domingo, 25 de Novembro de 2012

1.- Lembrar aqui:  http://criado-de-chesterton.blogs.sapo.pt/31968.html

 

2.- A solidariedade lusa do agora é hipocrisia barrada de pedantismo parolo.

 

3.- O Presidente da República voltou-se contra os que destruíram a agricultura, a indústria, o mar...

 

a) ....

Só a imensa crosta de ignorância pode desculpar atrevimentos e mentiras que, de tão propaladas e repetidas, servidas para apascentar mitos e agendas ideológicas contemporâneas, teimam em ferir de morte a verdade histórica. Sim, porque aqui nesta casa, estamos longe de efabulações, … de palavras sem coisas!

… aquele tropel de gravatismo sem ideias, bem me lembro,de aparente desleixado de ganga, sob o gel retocado, de meninas modeladas a “Barbies” brincando ao business, da moda das gestões e dos marketings, e do audiovisual, do desprezo pelos ofícios produtivos que acometeu uma geração inteira de meninos convertidos à pragmática do terciário colarinho branco, do ter um apartamento numa "nova urbanização", licenciada pelo tiranete local, sob trocos do empreiteiro, “amigo” das gentes locais, cometido a toda à pressa para exorcizar séculos de caminhos esburacados e estritos no dorso de mulas, da jogatana desenfreada da bolsa e dos milagres da D.ª Branca.

… lembro, sim, que essa gente cuspia na cultura, na literatura e em tudo o que nobilita um ser humano adulto afirmando, sem rebuço, que era tudo dinheiro, cor, e beleza que importava. A mim,acalantavam epítetos de reaccionário, "não és deste século"...e sempre o assumi com gosto, mas espanto da corja que me rodeava que cheirava a "desenvolvimento social-económico", vomitando postas verbais vindas de países que serviam de modelo, mas não do esforço para o conseguirem, e passavam "sorrisos" a escovar almas docentes e ministros deste País...

…E como o povo, embrutecido, iletrado e incivilizado pedia futebol, telenovelas, viagens ao Brasil e jet-7; fez-se-lhe a vontade. Um amplo consenso nacional.

…Se o Portugal do antes do cavaquismo era terceiro-mundista, acendia velas à inveja, à pinderiquice socialistóide e se comprazia em exibir mulheres de buço e o lumpen de mão estendida à caridade do Estado, os dez anos que medeiam entre 1985 e 1995 - mais o cavaquismo piegas de Guterres que se lhe seguiu - diluiram a cultura cívica, dinamitaram a respeitabilidade das forças fácticas (paróquia, polícia, mestre-escola, pessoas mais velhas, vizinho), instituíram uma cultura de direitos - ao ócio, ao consumo, ao direito ao canudo - sem exigir trabalho, compenetração, esforço. Muito daquilo que hoje se diagnostica teve a sua génese nesses anos de dourada promoção do nadaem que Portugal, subitamente bafejado pela cornucópia dos fundos germânicos, preferiu as croissanterias, os jeeps e os aparthotéis à cultura da exigência. O cavaquismo é um velho carnicão. Está lá, ainda, seja em versão socialista, seja em "social-democrática", no mesmo, porque lá fora todos sabem que é o mesmo. Mais um amplo consenso nacional...dir-me-ão. É um espinho cravado entranhado que nos vai privando, ano a ano, ao direito de sobrevivermos enquanto comunidade.

...

 

b) Um Povo que através de sucessivos consensos nacionais cai na pobreza de onde nunca saiu...pois.

 

4.- O défice anda mais longe. Com olhos de ver, ...vê algo de substancial do Estado a ser cortado? Pois. Dezenas de casas dói-dói, escolas, pólos, câmaras, roubam o valor de cada um em "prol de todos". Um povo que não sabe viver em condomínio, não pode viver em comunidade "social".

 

5.- Séculos de História desafiam outros séculos de História:  Espanha e Catalunha. A Europa é muito mais que Bruxelas. A Europa dos Povos, concreta, riquíssima em memórias e civilização enfrenta um desafio : parte do seu ócio (chamados direitos) coloca-a em depressão.

 

 



publicado por monge silésio às 13:32
 
Novembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

16
17

18
19
21
24

26
27
28